Postagens

Versículo da semana:

VERSÍCULO DA SEMANA:
"E por que me chamais: Senhor, Senhor, e não fazeis o que eu vos digo?" (Lucas 6:46)


Frase do momento

Frase do momento:

"Não é minha intenção atacar o denominacionalismo do cristianismo como errôneo. Eu somente quero dizer que para que o corpo de Cristo encontre uma efetiva expressão local, a base de comunhão deve ser verdadeira. E esta base é a relação de vida dos membros com o Seu Senhor e a sua desejosa submissão a Ele como o Cabeça. Tampouco estou pleiteando por aqueles que irão fazer uma seita carnal daquilo que poderia chamar de 'localismo', isto é, a estrita demarcação de igrejas por localidades. Porque tal pode ocorrer facilmente. Se o que estivermos fazendo hoje em vida se tornar amanhã um mero método, tal que seu próprio caráter alguns dos Seus forem excluídos, possa o Senhor ter misericórdia de nós e quebrar tudo!" (A Vida Normal da Igreja Cristã, capítulo 4. Grifo nosso)

2 de set de 2012

TREINANDO UM COMERCIANTE ESPIRITUAL


AVISOS FINAIS
Lamentavelmente os negócios chegaram ao Cristianismo moderno. Disfarçado de "Ferramenta para pregar o Envangelho" empresas e franquias são rotulados com "ferramentas para a expansão do reino de Deus". O Reino de Deus é algo totalmente celestial e se relaciona com o acréscimo da natureza divina em nós (Lucas 17:20-21). Infelizmente o que vemos é a construção de um pseudo "Reino Celestial" através de técnicas sutis de convencimento, o comércio invade os templos e os corações dos irmãos. Quantas pessoas socialmente vulneráveis ficarão de fora? Temos portanto a volta das velhas Indulgências... Estando de longe pelo temor do seu tormento, dizendo: Ai! ai daquela grande babilônia, aquela forte cidade! pois numa hora veio o seu juízo.
E sobre ela choram e lamentam os mercadores da terra; porque ninguém mais compra as suas mercadorias: 
Apocalipse 18:10-11

Enviado por: averdade144000


Infelizmente, a tendência da degradação é só aumentar. Precisamos orar para que todos nós que desejamos viver piedosamente, adorando a Deus em Espírito e em Verdade, tenhamos olhos abertos, ouvidos desimpedidos e dispostos, no Espírito, a pagarmos o preço necessário para seguir o Cordeiro aonde quer que Ele for!
Precisamos, mais do que nunca, conhecer e expressar o caráter de Deus Pai, e então, seguindo o Senhor Jesus, usarmos o Espírito e a Palavra para vencermos os sofismas deste mundo tenebroso.
Antipas

Algumas considerações importantes

“Filho do homem, descreva
O templo para a nação de Israel
Para que se envergonhe dos
Seus pecado.”

“Que eles analisem o modelo e,

se ficarem envergonhados
por tudo o que fizeram,
informe-os acerca da planta
do templo - sua disposição
suas saídas e suas entradas -
toda a sua planta e toda as suas
estipulações e leis”

“Ponha essas coisas por escrito
diante deles para que sejam
fiéis à planta e sigam as
suas estipulações.”

( Ez 43:10-11, NVI)



As instruções que Deus deu a Moisés, Ele também está falando hoje a cada um de nós. Não somente no Velho Testamento, mas também no Novo, encontramos a seguinte advertência: "Vê, pois, que tudo faças segundo o modelo que te foi mostrado no monte" (Êx 25:40 e Hb 8:5). Esta é uma admoestação que precisamos contemplar seriamente.

Moisés foi um homem chamado por Deus para liderar Seu povo e para construir um lugar para Sua morada. Moisés com­preendeu muito bem essa excelente chamada e estava pronto para responder a ela com todo o seu coração.

Entretanto, ele não era livre para fazer o que quisesse. Não tinha liberdade de inventar coisa alguma, de planejar o que quer que fosse ou de fazer qualquer coisa de acordo com os seus próprios gostos ou desejos. Ele foi instruído a fazer tudo estrita­mente de acordo com a visão celestial que havia recebido pes­soalmente, enquanto estava com Deus na montanha.

Veja, Moisés havia subido ao monte santo. Lá, ele passou um bom tempo (40 dias e 40 noites, para ser exato), na real presença do Deus Todo Poderoso. Ele conheceu o temor a Deus. Havia experimentado Sua terrível majestade e poder. Além disso, havia contemplado o coração de Deus e começado a compreen­der algo sobre o que o seu Criador estava desejando. Então, quando desceu daquela montanha, tinha queimando dentro de si uma visão celestial, uma revelação espiritual, que passou a controlar a sua obra, enquanto ele estava construindo uma morada para o Altíssimo.

Essas coisas nos deveriam falar, hoje, bem claramente. Quando nos convertemos e começamos a desejar nos envolver na obra de Deus, isso é algo que devemos considerar seria­mente. Se desejamos ser colaboradores de Deus e auxiliá-Lo na construção de Sua eterna morada, esse é um aspecto importante a ser considerado.

Antes de começarmos a nos empenhar nisso, precisamos ter entrado profundamente na presença de Deus. Não apenas ter entrado, mas ter gasto um tempo - um bom tempo - ouvindo, vendo e compreendendo o que é que Deus deseja. Antes de ir muito além do estágio e das atividades da infância espiritual, é importantíssimo que tenhamos recebido uma revelação celes­tial, de maneira que o nosso trabalho seja feito com substância divina e não meramente com madeira, feno ou palha (1 Co 3:12). Precisamos ter visto o santo plano de Deus e, então, construir de acordo com Sua planta.

Talvez todos nós devêssemos parar por um momento e considerar cuidadosamente o que estamos fazendo. Este é um assunto muito sério. As coisas que fazemos têm conseqüências eternas. Portanto, não nós feriremos se tomarmos alguns minu­tos e, em oração, avaliarmos nosso trabalho diante de Deus.

Vamos entrar em Sua presença e derramar nossos planos e projetos diante Dele. Vamos com reverência abrir nossos corações para ouvir a Sua opinião. Vamos perguntar honesta­mente a nós mesmos e a Deus: "Todas as coisas que estamos fazendo são realmente à prova de fogo? O que estamos constru­indo é realmente a casa de Deus? Será que é mesmo um lugar onde Ele se alegrará em morar eternamente?"

Em 1 Coríntios 3:10-17, Paulo nos faz algumas admoestações e nos dá algumas instruções sobre como construir a casa de Deus e quais materiais devemos usar. Ele nos persuade a tomar muito cuidado com o que estamos fazendo. Ele diz: "Porém cada um veja como edifica [sobre a fundação]" (vs. 10). Não é suficiente construirmos algo que achamos bom ou algo que os outros aprovem. É essencial construirmos de acordo com o desenho de Deus e com materiais aprovados.

Então, queridos irmãos, sejam cuidadosos! Sejam muito, muito cuidadosos, para que o que vocês estão fazendo esteja em harmonia com a mente de Deus! Não tenham pressa em sair por aí fazendo algo para Deus. É extremamente importante ouvir de Deus e ver a Sua habitação eterna primeiro, antes de começar­mos a construir. Se começarmos com uma visão celestial, então todo o nosso trabalho será aprovado. Desta forma, não seremos envergonhados quando Ele vier e examinar as coisas que temos feito.

Se os crentes sentem a liderança de Deus para que se reúnam em grupos maiores, isso pode ser uma bênção. Mas isso traz alguns desafios. Por necessidade, quando um grande número de crentes se reúne, apenas uns 
poucos serão capazes de ministrar. Isso é uma coisa lógica. Entretanto, tais reuniões não são proibidas pelas Escrituras. No entanto, o princípio básico de tudo ser dirigido por Jesus, o Cabeça, continua o mesmo.
Aqueles que são ungidos por Deus para ministrar no louvor, no ensino, na pregação, em tais situações, ainda devem ser mantidos no mesmo padrão. Quando alguém sente que está sendo conduzido a usar seus dons em tais circunstâncias, precisa ser cauteloso para que o Senhor o esteja dirigindo, e não a sua ambição e o seu desejo de ser visto ou ouvido. Seu verdadeiro alvo deve ser servir aos outros e não obter lucros financeiros ou emocionais.
sua ambição e o seu desejo de ser visto ou ouvido. Seu verdadeiro alvo deve ser servir aos outros e não obter lucros financeiros ou emocionais.


Quando o ministério é praticado por um membro muito ungido, isso deve ser feito às expensas daquela pessoa. Já que é o seu ministério, ele é responsável diante de Deus por sustentá-lo financeiramente. Não quero dizer que outros não possam
contribuir. O que eu digo é que a Igreja ou o corpo como um todo não é responsável por essas despesas. Essa é a responsabilidade da pessoa que está conduzindo o ministério. Tal pessoa deve ter um chamado genuíno de Deus para fazer aquela obra determi¬nada e, portanto, deve ter fé de que Deus irá sustentá-la. Se não tiver esta fé, então não deveria estar fazendo a obra.
Em nenhuma circunstância, alguém deve colocar pressão de qualquer espécie sobre os outros crentes para que o ajudem financeiramente. Nenhuma insinuação sutil ou argumentos sin¬ceros por dinheiro são permitidos. Eles nunca deveriam levan¬tar "ofertas" antes ou depois de ministrarem. Se um indivíduo não tem fé para conduzir uma determinada obra para Deus, então deve parar de fazê-la. O corpo de Cristo certamente pode contribuir para a obra de Deus, mas somente quando são movidos a fazer isso por Ele, e não coagidos por homens."

D. Dyer


Postado por Julio César:

Um dos assuntos mais falados no chamado meio evangélico é sobre contribuição. Em muitas igrejas e ministérios a palavra dinheiro é mais usada do que salvação, santificação, servos, amor ,etc...
Óbvio que qualquer seguidor de Jesus que lê sua Palavra sabe que ela fala em contribuir, mas nunca
com a ênfase dada em nossos dias. Hoje manipulam-se qualquer texto para dar o sentido que querem.
Se estudarmos o Novo testamento veremos que diferente do que é ensinado pela maioria, ele não contêm nenhum ensinamento sobre o dizimo para a igreja, mas como o tema desta postagem não é dizimo e sim contribuição não vou me ater a ele.
 Contribuir é bíblico e encontramos muitos textos no NT ensinando isso ou  mostrando a igreja contribuindo, o "x" da questão não está no contribuir mas sim no porque e para quem contribuir.
Diferente do que ouvimos hoje ,quer seja nos púlpitos, quer seja nos programas de rádio tv as contribuições na bíblia nunca visaram construir impérios religiosos, que chamam de "obras" de Deus ou pregação do evangelho.
Neste sábado dando uma volta pelos canais de TV passei por um programa que a mais de um ano usa seus trinta minutos semanais somente para pedir dinheiro para obras visando uma comemoração da  denominação. E colocam Deus na coisa, como aquilo fosse a essência do evangelho:construir um ginásio, uma avenida e um museu. Até acho que isso poderia ( ou talvez não ache) mas como diria o sábio "uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa". 
O povo tira dinheiro do pagamento que pode ate faltar no lar, se dispõe a fazer atividades para  arrecadar dinheiro e doar com a ideia que estão contribuindo para a expansão do reino de Deus. sem perceberem que o objetivo é dar poder a homens, é construir uma verdadeira torre de Babel e que por mais nobre que seja os motivos não é o que a bíblia ensina. 
Quando se fala em milhões ( sim milhões) de reais para um evento eu fico imaginando estes milhões sendo usados para ajudar os necessitados como a bíblia fala. As pessoas contribuem pensando que estão ajudando a obra de Deus e por nenhum momento para  fazer as contas. Imaginem este dinheiro ajudando os irmãos da igreja perseguida pelo mundo: Isso faz a diferença;
Neste mesmo dia em outro programa assisti a uma entrevista com uma missionário em um pais africano trabalhando com pessoas em situação de vida palpérrima, onde a maioria da população é soropositiva para o virus HIV, onde milhares de crianças são orfãs (a missionaria ira trabalhar com um grupo destas crianças). Um pais onde os hospitais não tem um minino de suporte e deixam a desejar, (nosso péssimo serviço de saúde seria um luxo por la) Esta missionaria tem mais de 60 anos e não ouvi ela falar em dinheiro, mas óbvio que ajudar seu ministério é fazer a obra de |Deus e é muito mais importante que construir auditórios.
É  incrível! Em nome de contribuir para a obra se sustenta gigôlos da fé, alimentam-se os vendilhões dos templos expulsos por Jesus, ajuda a homens (auto intitulados ministros de Deus) a ficarem milionários, Comprar jatinhos para os pregadores virou sinônimo de fazer a obra e olha que os pregadores famosos disputam entre si quem tem o maior e melhor avião.
Enquanto cristãos humildes sobem os morros para levar a mensagem da cruz sem ganhar nada ou com algumas ofertas irrisórias, os famosos cobram uma fortuna para que crentes ouçam sua mensagem "ungida".
Voltando as escrituras não vemos nenhum texto falando em construir templos e sustentar estruturas religiosas, coisas que na devida proporção até podem ser úteis e devem acontecer mas na devida proporção.
A bíblia menciona o sustento de quem faz a obra [mas Paulo não ousou receber tal sustento, confiando que Deus mesmo o sustentaria com ofertas esporádicas e com seu próprio trabalho]. Todavia, este sustento nunca deveria servir como álibi para que pessoas se enriqueçam a custo da obra de Deus. Não acredito que um obreiro deva passar necessidades, mas também  não acredito que a bíblia  ensine que eles devam viver no luxo, morando em mansões, tendo carros importados ou mesmo jatinhos  E o novo testamento tem algumas passagens sobre o salário do obreiro  mas a maioria esmagadora dos textos que falam sobre ofertas falam sobre a ajuda aos necessitados.
Veja alguns textos bíblicos e depois compare se a igreja moderna está obedecendo ao mandamento divino sobre contribuir ou mesmo se estamos imitando a igreja que nasceu no pentecostes.


Atos 2:44,45

  • Todos os que creram estavam juntos e tinham tudo em comum. 
  • Vendiam suas propriedades e bens, distribuindo o produto entre todos, à medida que alguém tinha necessidade.
  • Nos primórdios da igreja o povo contribuía com o objetivo de suprir a necessidade dos irmãos, ninguém tinha preocupação com o que era seu mas tudo era em comum.
  • Aqui vemos contribuição e vemos que esta difere das ofertas e dízimos ensinados hoje e não visa a necessidade comum e cada irmão e sim sustentar obreiros e estruturas ( não que seja errado, mas o problema esta na prioridade.)



Atos 4: 32,35

  • ...Ninguem considerava exclusivamente sua nenhuma coisa que possuía , tudo porém era comum. Com grande poder, os apóstolos davam testemunho da ressurreição do Senhor Jesus, e em todos eles havia abundante graça. Pois nenhum necessitado havia entre eles, porquanto os que possuíam terra ou casas, vendendo-as. traziam os valores correspondentes e depositavam aos pés dos apóstolos, então, se distribuíam a qualquer um à medida que alguem tinha necessidade.
  • Aqui o texto segue o citado anteriormente ( Atos 2) A necessidade de cada um era prioridade e ninguém se apegava aos seus bens mas os usavam para suprir as necessidades dos irmão. Os apóstolos aqui começavam a ter a responsabilidade de ajudar nesta distribuição pois a eles eram entregues os valores e estes distribuíam. Continuando no texto vemos Barnabé vendendo uma propriedade e trazendo aos apóstolo e o caso de Ananias e Safira que fizeram isso pela motivação errada e mentindo sobre o valor da venda. Deus não quer este tipo de contribuição. Observem que a contribuição era voluntária, os que faziam o faziam de coração, ninguém era obrigado ( conservando-o, porventura não seria teu? e vendido, não estaria em seu poder?), mas fazer para aparecer e mentir Deus não não tolera.



Atos 6;1.4

  • ... porque as viúvas deles estavam sendo esquecidas na distribuição diária....
  • Não é razoavel que nós abandonemos a palavra de Deus para servir às mesas....
  • Escolhei dentre vós sete homens....aos quais encarregaremos deste serviço.
  • O serviço de ajuda era primordial para igreja que surgia, e os apóstolos devido aos seus afazeres em relação a Palavra de Deus atribuíram este serviço aos diáconos para que esta distribuição fosse feita de forma correta, não esquecendo de ninguém. Aqui vemos que a função dos diáconos eram servir as mesas, ou seja distribuir entre os necessitados ( Hoje parece que em muitas igrejas o diácono serve para ficar na porta do templo, olhar os carros, chamar atenção das crianças... mas isso já é outro assunto)
  • Continuamos a ver que ajudar, repartir era algo primordial a igreja, o povo contribuía e os apóstolos, depois os diáconos serviam a Deus ajudando neste ministério. Até aqui não vemos contribuição e ofertas para sustento do obreiros e estruturas ( até necessário se dermos a importância devida a cada ação)


ATOS 10;4
  • ..e as tuas esmolas subiram para memória diante de Deus.
  • Aqui vemos as esmolas ( ajuda ao necessitados) agradando a Deus, e no caso isso aconteceu mesmo antes de Corneio conhecer a Jesus, este orava a Deus e dava esmolas e Deus se agradou disso que providenciou alguém para lhe levar a mensagem correta do evangelho. O que agradou a Deus foi as esmolas que ajudavam os pobres não que sustentavam estruturas de templos.

Atos 11:29
  • Os discípulos, cada um conforme suas posses, resolveram enviar socorro aos irmãos que moravam na Judeia.
  • Diante de uma fome na região da Judeia os discípulos contribuíram para socorrer os irmãos afetados por ela, E olhem que alem de voluntária este socorro era segundo as posses.Alguma semelhança com os dízimos e ofertas modernas?



Rom 15:26
  • "Porque aprouve à Macedônia e à Acaia levantar uma coleta em beneficio dos pobres entre os santos que vivem em Jerusalém."
  • De novo coletas em favor dos pobres.


I Cor ¨16:1,2
  • "Quanto à coleta para os santos, fazei vós também como ordenei às igrejas da Galácia. No primeiro dia da semana, cada um de vós ponha de parte, em casa, conforme sua prosperidade.
  • Mais uma vez, ofertas para os santos e esta oferta não tinham um percentual tipo dizimo, cada um fazia segundo sua prosperidade ( e por favor não venham dizer que um percentual igual para todos é conforme a prosperidade, pois 1% de quem ganha uma bolsa família de 300,00 pode ser muito mais do que 50% de quem ganha 50.000,00)



II Cor 8: 2,5

  • Como em muita prova de tribulação houve abundância do seu gozo, e como a sua profunda pobreza abundou em riquezas da sua generosidade. Porque, segundo o seu poder (o que eu mesmo testifico) e ainda acima do seu poder, deram voluntariamente .Pedindo-nos com muitos rogos que aceitássemos a graça e a comunicação deste serviço que se fazia para com os santos. E não somente fizeram como nós esperávamos, mas a si mesmos se deram primeiramente ao Senhor, e depois a nós, pela vontade de Deus.



II Cor 9:1
  • Quanto à administração que se faz a favor dos santos, não necessito escrever-vos; 



II Cor 9: 7,
  • Cada um contribua segundo propôs no seu coração; não com tristeza, ou por necessidade; porque Deus ama ao que dá com alegria. 


Gal 2:10
  • Recomendando-nos somente que nos lembrássemos dos pobres, o que também procurei fazer com diligência.


I Tm 5:3 e 8
  • Honra as viúvas que verdadeiramente são viúvas. 
  • Mas, se alguém não tem cuidado dos seus, e principalmente dos da sua família, negou a fé, e é pior do que o infiel


Tg 2: 15,16
  • E, se o irmão ou a irmã estiverem nus, e tiverem falta de mantimento quotidiano, E algum de vós lhes disser: Ide em paz, aquentai-vos, e fartai-vos; e não lhes derdes as coisas necessárias para o corpo, que proveito virá daí?


Agora preste atenção quando pedirem dinheiro (que é quase toda hora dos programas e nos cultos) veja se seguem o propósito e exemplo bíblico. Veja se os valores não foram invertidos. Antes de "abrir" o bolso [consulte a unção do Espírito] estude a real necessidade de se dar aquela oferta, e se não existe outras prioridades. Será que milhões para um programa de Tv [ou qualquer outro programa dito "espiritual"] num pais onde tem um igreja em cada esquina é vital? Será que estes programas realmente pregam a palavra ou são um shopping de venda de bugiganga religiosa e uma verdadeira fonte de heresias e que promovem homens e seus feitos?, E qual o verdadeiro motivo no coração de quem contribui? [Promover a própria vaidade de estar fazendo algo diferente do que os outros fazem (sem perceber que é diferente até mesmo do que Jesus fez!)]. Ajudar a algum necessitado ou faturar (investir) em cima das promessas de que dando receberão muito mais.

VOLTEMOS AO EVANGELHO PURO E SIMPLES, O $HOW TEM QUE PARAR!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário:

Facebook